Sobre a Constituição da Subjetividade e os blogs…

julho 1, 2008

 A autora Ieda Tuchermam, ao participar do Colóquio Foucault Hoje?, a partir da página 108,  trouxe algumas reflexões sobre a constituição da subjetividade. Faz uma retomada aos hypomnematas, a chamada escrita de si dos gregos, sendo cadernos pessoais em que eram escritas coisas “lidas, escritas ou faladas.” nesta construção, o sujeito ao relatar situações do seu cotidiano, podendo ser desde um fato relacionado a família ou trabalho até mesmo registros de gastos e economias se traduz em um olhar de si para si, ou seja, uma maneira de reconher-se a partir de suas práticas e vivências, construindo a sua subjetividade.

Outro caminho percorrido por esta autora e que vem ao encontro da pesquisa, se refere a afirmação de que Foucault tem a necessidade de nos integrar a não linearidade da história, a fim de afastarnos da idéia de “evolução e progresso”. Pressuponho o aparecimento do hipertexto; a conjugação de imagens, escrituras, pensamentos metamorfoseados pelos movimentos das formas de objetivação e subjetivação que agem no sujeito moderno.

A respeito do trecho “A correspondência tem um sentido complementar: escrever é mostrar-se, dar-se a ver, fazer aparecer o rosto próprio junto ao outro”. Pode-se perceber aqui o blog como um dispositivo de exposição da intimidade, ou seja, é a subjetivação agindo no processo de constituição do sujeito, inclusive a própria autora faz uma pergunta: “o blog é um encontro consigo mesmo?” Além de expor a sua intimidade, está predisposto a comentários que irão ressignificar seus escritos. Se retomarmos os hypomnematas, é coerente reconhecer este processo como um forte dispositivo de exposição  e meditação, sendo uma possibilidade alimentar a subjetivade.


Estudando a Constituição do Sujeito…

julho 1, 2008

Estudando sobre a “Escrita de si” e a “Constituição do Sujeito”, cheguei ao artigo “Foucault à luz de Heidegger: notas sobre o sujeito autônomo e o sujeito constituído”, de André de Macedo Duarte, o qual faz parte da obra Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas.

Duarte, ao se referir sobre alguns dos objetivos de Foucault, dentre eles estudar o sujeito no presente, menciona na voz de Francisco Ortega o seguinte: que “o objetivo final de Foucault foi o de propor uma alternativa ética para o presente, ao estudar as “diferentes práticas (ascese) que permitem ao indivíduo estabelecer uma determinada relação consigo e esboçar diferentes pontos de resistência contra um poder subjacente”(ORTEGA, 1999, p.60).

Esta chamada relação consigo se refere à forma de subjetivação do sujeito, é  a maneira como o sujeito se percebe como tal. Neste sentido surgiu uma dúvida; o que seria esse poder subjacente? Seria talvez o poder que age sobre a subjetividade? Ou seria o poder que age sobre a subjetividade a fim modificar este sujeito?

Estou pensando em como relacionar estas idéias com a constituição do sujeito professor.

 

 


Leituras em andamento.

maio 5, 2008

O livro de Márcio Alves Fonseca, “Michel Foucault e a constituição do sujeito”, traz informações importantes sobre os estudos de Foucault voltados para “as formas de constituição do indivíduo moderno.”  O pensador estuda  o sujeito tendo como parâmetro o seu próprio tempo. É na atualidade que  há a percepção do sujeito moderno.Então o autor afirma que “Nesta atualidade, aparece o indivíduo moderno, produto de uma tecnologia, constituído enquanto objeto de saber e resultado das relações de poder, marcado pela docilidade e utilidade que justificam o processo de sua constituição.”

Abaixo segue um  Fichamento (em construção) de alguns momentos significativos desta obra para compor as reflexões que constituirão o terceiro capítulo da dissertação.

 

 

– FONSECA, Márcio Alves. Michel Foucault e a Constituição do Sujeito.São Paulo: EDUC, 1995.

 

24

O autor inicia o parágrafo dizendo que, “De maneira geral, pode-se dizer que Foucault pretende estudar as formas de constituição do indivíduo moderno.”

Também comenta sobre a maneira de  “Dreyfus e Rabinow, organizarem seu trabalho sobre a obra de Foucault (…)”

Essa maneira diz respeito “ao estudo da constituição do indivíduo moderno como objeto, um indivíduo dócil e útil (…) e num outro momento, discutem os textos que permitiram a compreensão de seu estudo sobre a constituição do indivíduo moderno como sujeito, ou seja: indivíduo preso à sua própria consciência.”

 

 

O autor também menciona as formas de objetivação e subjetivação do indivíduo, que para ele, tem relação com a constituição do indivíduo.

(discutir com orientador)

 

O indivíduo como objeto, segundo Foucault, é reflexo do que ele chama de “mecanismos disciplinares”, constituindo um “objeto dócil e útil”. Já o indivíduo como sujeito, “está preso a uma identidade que lhe é atribuída como própria.

26

Sobre a diferença entre os termos indivíduo e sujeito:

“O termo “sujeito” serviria para designar o indivíduo preso a uma identidade que reconhece como sua , assim constituído a partir dos processos de subjetivação.”

E “os processos de objetivação, explicitam por completo a identidade do indivíduo moderno: objeto dócil-e-útil e sujeito.

Eu teria entendido que os processos de objetivação se referem ao indivíduo objeto: dócil e útil. Já o os processos de subjetivação teriam relação com o indivíduo sujeito: preso a uma identidade que reconhece como sua.

70

Foucault busca problematizar seu próprio tempo, ou seja, a sua atualidade.

Sendo assim, “nesta atualidade, aparece o indivíduo moderno, produto de uma tecnologia, constituído enquanto objeto de saber e resultado das relações de poder, marcado pela docilidade e utilidade que justificam o processo de sua constituição.

Reforça-se a idéia de”um indivíduo moderno” como um produto da disciplina.

Foucault, se apropria do seu tempo, sem descartar da memória vivências passadas. Ao contrário, o pensador alia essa memória à atualidade a fim de compreender melhor o indivíduo moderno.

75

A respeito da individualidade moderna, “no pensamento de Foucault está em se partir da noção de sujeito enquanto produção das relações de poder e saber e na identificação de tais relações. O sujeito não é dado definitivamente na história, mas constitui-se no interior dela. (…) O sujeito é produto e efeito.”

 

È possível entender que para Foucault, o sujeito se constitui a partir das relações que se estabelecem durante a sua trajetória, relações de poder e saber.

76

“ O indivíduo moderno é aquele que atua, que é colocado em funcionamento, que faz parte de um complexo produtivo.”

O indivíduo moderno é pró-ativo, participa em comunidade, não se constrói no isolamento.

77

“A individualidade moderna, celular e orgânica, num terceiro momento, mostra-se como genética, por ser o meio que permite a acumulação do tempo visando sua maior rentabilidade.”

 

“Por fim, a individualidade moderna é também combinatória. O seu possuidor não é constituído para ser considerado isoladamente.”

 

As vivências acumulam saberes e experiências que, para Foucault, trazem benefícios ao indivíduo.

 

 

 

 

O indivíduo se constitui no conjunto, nas trocas possíveis do seu cotidiano.

 

 

 

 

 

 


De grão em grão…

abril 22, 2008

Estou fazendo o levantamento dos Blogs de professores brasileiros para serem selecionados para a pesquisa…

Quanta gente empolgada para falar sobre educação e TICs.

Isso leva tempo…

O fantasminha da dificuldade técnica ainda está rondando, mas aos poucos ele irá embora… Ahh se vai…


O Renascimento

abril 15, 2008

Olá!

Um dos ideais do Renascimento, nascido na Itália, no século XIII, segundo a Wikpédia, era o

Otimismo que se caracteriza por ser uma forma de pensamento. É sinônimo de pensamento positivo, ou seja, uma pessoa otimista é uma pessoa que vê as coisas pelo lado bom. O otimismo é a posição contrária a do pessimismo. No Renascimento ele significa poder fazer tudo sem nenhuma restrição e abertura ao novo.”

Esse é o sentimento que tenho com essa oportunidade de poder recomeçar…

 


Olá mundo!

abril 14, 2008

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!